19/08/2015


Gaivotas em terra, tempestade no mar.








Antigamente, este provérbio ou dito popular era pura verdade, hoje, já não é bem assim...
Haja tempestade, haja bonança, as gaivotas permanecem em terra.

Dado que a atividade piscatória reduziu bastante, e, as gaivotas continuam a reproduzir-se a um ritmo alucinante, estas não encontram, junto dos barcos, a sua mais apetitosa fonte de alimento -  o peixe.
Invadem cidades.
Nidificam nos telhados.

Mães desesperadas procuram alimento para as gaivotas bebés. Assaltam terraços, varandas, lixeiras e quaisquer outros sítios que possam ter algo comestível.
Tenha bastante cuidado quando tentar afagar uma gaivota bebé. A mãe faz voos rasantes sobre a sua cabeça para tentar defender a sua cria.

Carros são "bombardeadas" com as suas borradelas.
Quando preparar um piquenique escolha muito bem o local. Se se aproximar uma gaivota, pedindo para partilhar a sua comida, pense bastante bem antes de efetuar essa partilha. O piar da gaivota ouve-se ao longe. A família aproxima-se, e, em poucos minutos, fica rodeado/a de gaivotas de várias cores e vários tamanhos.
O melhor a fazer é arrumar a trouxa e mudar de sítio.

No fundo, são aves bastante bonitas.
Não têm culpa de terem nascido neste tempo.

Talvez esteja na hora de alguém pensar numa boa política de planeamento familiar...




Sem comentários:

Publicar um comentário